Skip to content

O Alcorão defende estupro, pedofilia e escravidão sexual de mulheres e meninas não-muçulmanas

“Eu dizia para ele que dói – por favor, pare”, disse a menina, cujo corpo é tão pequeno que um adulto poderia circundar sua cintura com as duas mãos. “Ele me disse que de acordo com o Islão ele está autorizado a violar um incrédulo. Ele disse que ao me violar, ele está chegando mais perto de Deus”, disse ela.

Dada a situação na Europa, onde “migrantes” (em sua maioria muçulmanos) estão invadindo às hordas na casa dos milhões, eu estou a repostar isso. Mesquitas estão já a serem erguidas em cidades e áreas habitadas por migrantes e haverá lei da Sharia nestas sáreas. A imprensa controlada judaica só se regojiza com a situação na Europa. Quase cantando canções felizes ao relatar como aqueles “migrantes” estão a inundar a Europa.

Isto é o que os europeus podem esperar no futuro muito próximo:

Uma em cada quatro mulheres suecas serão vilodas, pois agressões sexuais aumentaram em 500%, seguindo o fluxo da migração não-branca: http://josministries.prophpbb.com/topic6028.html

Com muçulmanos representam até 77% dos casos de estupro e um grande aumento dos casos de estupro em paralelo com um grande aumento da migração muçulmana, as ondas de migração muçulmana estão provando ser uma epidemia de agressão sexual de uma ideologia misógina.

Além disso, os cristãos (como de costume) são cúmplices ideológicos desta escória maligna. O papa exortou todos os lares católicos na Europa para “adoptarem pelo menos um migrante.”

A Europa vai em breve se transformar em um esgoto islâmico onde o que muçulmanos desprezíveis rotulam como “infiéis” serão brutalmente assassinados em massa. Mulheres não poderão entrar nestas zonas (que estão a se expandir rapidamente) a menos que estejam totalmente cobertas.

Encorajo vivamente todos a lerem o seguinte artigo totalmente. Isso não é algo que vai acabar por conta própria. Esse lixo de “tolerância” empurrada goela abaixo pelos judeus só se aplica a qualquer coisa suicida para os Gentios. A tolerância é propaganda judaica imunda! Estes programas judeus não têm nenhuma tolerância para quaisquer liberdades nem qualquer “viva e deixe viver”. Eles vão massacrá-lo e matá-lo se tu não defender o que é teu. A situação na Europa é extremamente grave.

O artigo abaixo é horrível. Como a maioria de vocês já sabem, o inimigo acrescenta insulto à injúria ao blasfemar nossos deuses, nossos feriados e tudo mais. Ísis, como a maioria de vocês estão cientes, é uma Deusa egípcia muito importante. O inimigo corrompeu o nome dela com esta organização podre.

Trechos do artigo abaixo:

“Uma mulher Yazidi de 34 anos, que foi comprada e repetidamente violada por um combatente árabe na cidade síria de Shadadi, descreveu como ela se saiu melhor do que a segundo escrava na casa – uma menina de 12 anos que foi violada por dias a fio, apesar do sangramento intenso.

“Ele destruiu o corpo dela. Ela ficou gravemente infectada. O combatente continuava a chegae perguntar-me: ‘Por que ela cheira tão mal?’, e eu disse, ela tem uma infecção no interior, tu precisas cuidar dela’, disse a mulher. Impassível, ignorou a agonia da menina, dando continuidade ao ritual de rezar antes e depois de violar a criança. ‘Eu disse a ele: ela é só uma menina’, a mulher mais velha lembrou. ‘E ele respondeu: ‘Não. Ela não é uma menina Ela é uma escrava, e ela sabe exatamente como ter relações sexuais.’’

“Fazer sexo com ela agrada a Deus”, disse ele.

O Estado Islâmico Consagra uma Teologia de Estupro
Afirmando seu apoio no Alcorão, o Estado Islâmico codifica escravidão sexual em regiões conquistadas do Iraque e Síria, e usa a prática como uma ferramenta de recrutamento. Escrito por Rukmini Callimachi

QADIYA,Iraque – Nos momentos antes de violar a menina de 12 anos, o combatente do Estado Islâmico tomou tempo para explicar que o que ele estava prestes a fazer não era um pecado. Porque a menina pré-adolescente praticou uma religião diferente do Islã, o Alcorão não só deu-lhe o direito de estuprá-la – ele o estimula e encoraja, ele insistiu.

Ele atou suas mãos e a amordaçou. Em seguida, ele se ajoelhou ao lado da cama e prostrou-se em oração antes de ir para cima dela. Quando acabou, ele se ajoelhou para orar novamente, contabilizando o estupro com actos de devoção religiosa.

“Eu dizia para ele que dói – por favor, pare”, disse a menina, cujo corpo é tão pequeno que um adulto poderia circundar sua cintura com as duas mãos. “Ele me disse que de acordo com o Islão ele está autorizado a violar um incrédulo. Ele disse que ao me violar, ele está chegando mais perto de Deus”, disse ela em uma entrevista ao lado de sua família num campo de refugiados daqui, para o qual ela escapou depois 11 meses de cativeiro.

A violação sexual sistemática de mulheres e meninas da minoria religiosa Yazidi tornou-se profundamente enredada na organização e na teologia radical do Estado Islâmico desde que o grupo anunciou que estava revivendo a escravidão como uma instituição. Entrevistas com 21 mulheres e meninas que recentemente escaparam do Estado islâmico, bem como uma análise das comunicações oficiais do grupo, iluminam como a prática tem sido consagrado nos princípios fundamentais do grupo.

O comércio de mulheres e meninas Yazidis criou uma infra-estrutura persistente, com uma rede de armazéns onde as vítimas são detidas, salas de visualização onde são inspecionadas e comercializadas e uma frota dedicada de autocarros usados para transportá-las.

Um total de 5.270 Yazidis foram sequestradas no ano passado, e pelo menos 3.144 ainda estão sendo libertadas de acordo com líderes comunitários. Para lidar com eles, o Estado Islâmico desenvolveu uma burocracia detalhada de escravidão sexual, incluindo contratos de venda autenticados pelos tribunais Islâmicos executados pelo Estado Islâmico. E a prática tornou-se uma ferramenta de recrutamento estabelecido para atrair homens de sociedades muçulmanas profundamente conservadores, onde o sexo casual é tabu e namoro é proibido.

Um crescente corpo de memorandos de política interna e discussões teológicas estabeleceram diretrizes para a escravidão, incluindo um extenso manual de como emitir pelo Departamento de Fatwa e Investigação do Estado Islâmico no mês passado. Repetidamente, a liderança do Estado Islâmico tem enfatizado uma leitura estreita e seletiva do Alcorão e outras normas religiosas para justificar não só a violência, mas também para elevar e comemorar cada agressão sexual como espiritualmente benéfica, até mesmo virtuosa.

“Toda vez que ele veio para me violar, ele ia rezar”, disse “F”, uma menina de 15 anos que foi capturada no Monte Sinjar há um ano e foi vendida para um combatente iraquiano com uns 20 anos de idade. Como algumas outras entrevistadas pelo The New York Times, ela queria para ser identificado apenas por sua inicial por causa da vergonha associada ao estupro.

“Ele ficava me dizendo que isso é ibadah”, disse ela, usando um termo da escritura islâmica que significa adoração.

“Ele disse que me violar é sua oração a Deus. Eu disse a ele: ‘O que tu estás a fazer comigo é errado, e não vai lhe trazer mais perto de Deus.’ E ele disse: ‘Não, isso é permitido. É halal”, disse a adolescente, que escapou em abril, com a ajuda de contrabandistas depois de ser escravizada por quase nove meses.

Conquista calculada
A introdução formal de escravidão sexual sistemática no Estado Islâmico data de 3 de agosto de 2014, quando seus combatentes invadiram as vilas no flanco sul do Monte Sinjar, um maciço rochoso no norte do Iraque. Seus vales e desfiladeiros são o lar dos Yazidis, uma pequena minoria religiosa que representam menos de 1,5% da população estimada do Iraque de 34 milhões.

A ofensiva no monte veio apenas dois meses depois desde a queda de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque. No início, parecia que o avanço posterior na montanha era apenas mais uma tentativa de estender o território controlado por combatentes do Estado islâmico.
Quase imediatamente, havia sinais de que o seu objectivo desta vez foi diferente.

Sobreviventes dizem que os homens e as mulheres foram separados na hora de sua captura. Os rapazes adolescentes foram orientados a levantar a camisa, e se eles tinham cabelo nas axilas, eles foram encaminhados para se juntar aos seus irmãos mais velhos e pais. Aldeia após aldeia, os homens e os rapazes mais velhos foram expulsos ou marcharam para campos nas proximidades, onde eles foram forçados a deitar-se no chão e pulverizados com fogo automático. As mulheres, raparigas e crianças, no entanto, foram levadas em caminhões abertos.

“A ofensiva no monte era tanto uma conquista sexual como um ganho territorial”, disse Matthew Barber, especialista da Universidade de Chicago sobre a minoria Yazidi. Ele estava em Sinjar quando o ataque começou no verão passado e ajudou a criar uma fundação que presta apoio psicológico para os fugitivos, que somam mais de 2.000, de acordo com ativistas comunitários.

A rapariga de 15 anos de idade diz que sua família de nove pessoas estava a tentar escapar, a acelerar por detrás montanha, quando o seu velho Opel superaqueceu. Ela, sua mãe, e suas irmãs estavam impotentes devido ao seu carro estar parado quando um comboio de combatentes do Estado islâmico fortemente armados os cercaram.

“Imediatamente, os combatentes separaram os homens das mulheres”, disse ela. Ela, a mãe e as irmãs, foram levadas pela primeira vez em caminhões para a cidade mais próxima ao Monte Sinjar. “Lá, eles me separado da minha mãe. As raparigas jovens e solteiras foram forçados a entrar no ônibus.”

Os ônibus eram brancos, com uma faixa pintada ao lado da palavra “Hajj”, a sugerir que o Estado Islâmico havia encomendado o ônibus do governo iraquiano utilizado no transporte para a peregrinação anual a Meca. Assim, muitas mulheres e meninas Yazidis foram carregadas dentro de ônibus, e F diz que elas foram forçadas a sentar no colo uma da outra, disse ela.

Depois que o ônibus saiu, elas notaram que as janelas estavam fechadas com cortinas, algo que parecia ter sido adicionado, porque os combatentes planejavam o transporte de um grande número de mulheres que não foram cobertas em burcas ou lenços na cabeça.

O relato de F, incluindo a descrição física do ônibus, a colocação das cortinas e a maneira em que as mulheres foram transportadas, é ecoado por uma dúzia de outras vítimas do sexo feminino entrevistadas para este artigo. Elas descreveram um conjunto semelhante de circunstâncias, embora elas tivessem sido sequestradas em dias diferentes e em locais a milhas de distância.


F diz que foi levada à cidade iraquiana de Mosul, há cerca de seis horas de distância, onde eles levaram-nas para Salão de casamento Galaxy. Outros grupos de mulheres e meninas foram levadas para um palácio da era de Saddam Hussein, o composto prisão Badoosh, e o edifício do Diretório do Juventude em Mosul, disseram fugitivas recentes. E, além de Mosul, as mulheres foram sequestradas em escolas de ensino fundamental e edifícios municipais nas cidades iraquianas de Tal Afar, seriam mantidas em confinamento, para alguns dias, algumas há meses. Então, inevitavelmente, elas eram carregadas na mesmo frota de ônibus novamente antes de serem enviadas em grupos menores para a Síria ou para outros locais no interior do Iraque, onde foram compradas e vendidas para o sexo.

“Foi 100 por cento pré-planejado”, disse Khider Domle, um activista da comunidade Yazidi que mantém uma base de dados detalhada das vítimas. “Falei por telefone com a primeira família que chegou ao Diretório da Juventude em Mosul, e aa Câmara já estava preparada para elas. Eles tinham colchões, pratos e utensílios, alimentos e água para centenas de pessoas.” Os relatórios pormenorizados da Human Rights Watch e a Anistia Internacional chegaram à mesma conclusão sobre a natureza organizada do comércio do sexo. Em cada local, as sobreviventes dizem que combatentes do Estado Islâmico primeiro realizaram um censo de seus cativos do sexo feminino. Dentro do salão de banquetes volumosos no Galaxy, F sentou-se no chão de mármore, espremida entre outras meninas adolescentes. No que ela estima ao todo, havia mais de 1.300 meninas Yazidis sentadas de cócoras, espalhadas e inclinando-se contra as paredes do salão de baile, um número que é confirmado por várias outras mulheres detidas no mesmo local. Cada uma delas descreveu como três combatentes do Estado islâmico entraram, segurando um registo. Eles disseram as meninas ficarem de pé. Cada uma foi instruída a dizero seu nome completo, sua idade, sua cidade natal, se ela era casada e se ela tinha filhos. Durante dois meses, F foi deixada dentro da sala Galaxy. Então, um dia, eles vieram e começaram a remover as mulheres jovens. Aquelas que se recusaram foram arrastados pelos cabelos, ela disse.

No estacionamento da mesma frota de ônibus, Hajj estava esperando para levá-las para o seu próximo destino, disse F. Junto com outras 24 meninas e mulheres jovens, a menina foilevada a uma base do exército no Iraque. Foi lá no estacionamento que ela ouviu a palavra “Sabaya” pela primeira vez.

“Eles riram e zombaram de nós, dizendo: ‘tu és nosso Sabaya.’ Eu não sabia o significado dessa palavra “, disse ela. Mais tarde, o líder local Estado Islâmico explicou que significava escravo.”

“Ele nos disse que Tausi Melek – um dos sete anjos a quem os Yazidis rezam – não é Deus, ele disse que Tausi Melek é o diabo e que, por tu adorares ao diabo, tu pertences a nós. Nós podemos vendê-la e usá-la como acharmos conveniente…”
O comércio do sexo do Estado islâmico parece basear-se unicamente em escravizar mulheres e meninas da minoria Yazidi. Até agora, não houve nenhuma campanha generalizada visando escravizar as mulheres de outras minorias religiosas, disse Samer Muscati, o autor do recente relatório da Human Rights Watch. Esta afirmação foi ecoada por líderes comunitários, funcionários do governo e outros trabalhadores de direitos humanos.

Sr. Barber, da Universidade de Chicago, disse que o foco nos Yazidis era provável, porque eles são politeístas, com uma tradição oral, em vez de uma ter uma escritura. Aos olhos do Estado islâmico, eles estão à margem dos infieis mais desprezados, ainda mais do que os cristãos e os judeus, a quem se considera ter algumas proteções sob a lei do Alcorão como companheiros e o “Povo do Livro”.

Em Kojo, uma das mais meridionais aldeias no Monte Sinjar e entre a pista da fuga, os moradores decidiram ficar, acreditando que eles seriam tratados da forma como os cristãos de Mosul haviam sido meses antes. Em 15 de agosto de 2014, o Estado Islâmico ordenou aos moradores denunciarem uma escola no centro da cidade. Quando lá chegou, Aishan Ali Saleh de 40 anos, encontrou um idoso da comunidade a negociar com o Estado Islâmico, perguntando se eles poderiam ser autorizados a entregar seu dinheiro e ouro em troca de passagem segura. Os combatentes inicialmente concordaram e estenderam um cobertor onde a senhora Saleh colocou seu pingente em forma de coração e seus aneis de ouro, enquanto os homens deixaram notas amassadas.

Em vez de deixá-los ir, os combatentes começaram a empurrar os homens para fora, com destino à morte. Pouco depois, uma frota de carros chegara e as mulheres, meninas e crianças foram levadas.

O Mercado
Meses depois, o Estado Islâmico deixou claro em sua revista on-line que sua campanha de escravizar mulheres e meninas Yazidis tinham sido extensivamente pré-planejada. “Antes da tomada de Sinjar, os estudantes da Sharia (lei islâmica) no Estado islâmico foram incumbidos de investigar os Yazidis”, disse o artigo em idioma inglês, com a manchete “O Renascimento da Escravidão Antes da Hora”, que apareceu na edição de outubro do Dabiq. O artigo deixou claro que para os Yazidis não havia nenhuma possibilidade de pagar um imposto conhecido como jizya para serem postos em liberdade, ao contrário de judeus e cristãos.”

“Depois da captura, o mulheres e crianças Yazidis foram divididas em concordância com a Sharia, entre os combatentes do Estado Islâmico, que participaram nas operações de Sinjar, depois que um quinto das escravas fora transferida para a autoridade do Estado islâmico para serem compartilhadas como espólio”, disse o artigo.


Da mesmíssima maneira como específicas passagens da Bíblia foram usadas séculos antes para apoiar o comércio de escravos nos Estados Unidos, o Estado Islâmico cita versículos específicos ou histórias no Alcorão ou então na Sunna, as tradições baseadas nos ditos e feitos do Profeta Maomé, para justificar seu tráfico de seres humanos, dizem os especialistas. Estudiosos da teologia islâmica discordam, porém, sobre a interpretação adequada desses versos e sobre a questão se o Islão de facto aprova a escravatura. Muitos argumentam que as citações de escravidão na liturgia islâmica, da mesma forma que na Bíblia – como um reflexo do período na Antiguidade em que a religião nasceu.

“No meio em que o Alcorão surgiu, houve uma prática generalizada de homens terem relações sexuais com mulheres não-livres”, disse Kecia Ali, um professor de religião associado à Universidade de Boston e autor de um livro sobre a escravidão no início do Islão. “Não foi uma instituição religiosa particular. Era apenas como as pessoas faziam as coisas.”

Cole Bunzel, um estudioso de teologia islâmica na Universidade de Princeton, discorda, apontando para as numerosas referências à frase “aqueles que sua mão direita possui” no Alcorão, que durante séculos tem sido interpretada para significar escravas. Ele também aponta para o corpus da jurisprudência islâmica, que continua na era moderna e que segundo ele, inclui as regras para o tratamento de escravos. “Há uma grande quantidade de escritura que sancionam a escravidão”, disse Bunzel, o autor de um trabalho de pesquisa publicado pela Brookings Institution sobre a ideologia do Estado islâmico. “Tu podes argumentar que não é mais relevante e caiu em suspenso. O Estado Islâmico diria que essas instituições precisam ser revividas, porque é isso que o Profeta e seus companheiros fizeram.”

As mulheres e meninas mais jovens e mais bonitas foram compradas nas primeiras semanas após a sua captura. Outras – especialmente, mulheres mais velhas casadas – descreveram como elas foram transportadas de um local para outro, gastando meses no equivalente carroças de estabulação humana, até que um potencial comprador desse um lance nelas. Seus captores pareciam ter um sistema pronto, repleto de sua própria metodologia de inventariação das mulheres, bem como o seu próprio léxico. “Sabaya” era como se referiam às mulheres e meninas, seguido do seu nome. Algumas foram compradas pelos vendedores, que fotografaram-nas e deram-lhes números, para anunciá-las aos potenciais compradores.

Osman Hassan Ali, um homem de negócios que tem contrabandeado numerosas mulheres Yazidis com enorme sucesso, disse que ele posou como comprador, a fim de que lhe fosse enviado as fotografias. Ele compartilhou uma dúzia de imagens, cada um mostrando uma mulher Yazidi sentada em uma sala vazia em um sofá, de frente para a câmera com uma expressão séria e pálida. Na borda da fotografia está escrito em árabe, “Sabaya No. 1”, “Sabaya No. 2” e assim por diante.
Edifícios onde as mulheres foram coletadas e mantidas, às vezes incluíam uma sala de exibição. “Quando eles nos colocaram no edifício, eles disseram que havia chegado ao Mercado Sabaya”, disse uma vítima de 19 anos de idade, cuja inicial é “I”. “Eu entendi que estavamos agora em um mercado de escravos.”

Uma mulher que disse ter sido violada por militantes do Estado islâmico em um campo de refugiados na região do Curdistão no norte do Iraque. Crédito: Mauricio Lima, para o The New York Times.

Ela estimou que havia pelo menos 500 outras mulheres e meninas solteiras no edifício de vários andares, com a mais jovem entre elas a ter 11 anos. Quando os compradores chegaram, as meninas foram levadas uma a uma em uma sala separada. “Os emires sentaram-se contra a parede e chamaram-nos pelo nome. Tivemos que sentar em uma cadeira de frente para eles. Tu tinhas que olhar para eles, e antes que tu entrasse, eles tiraram nossos lenços e qualquer coisa que poderiamos ter usado para cobrir-nos”, ela disse. “Quando foi a minha vez, eles me fizeram ficar de pé quatro vezes. Eles me fizeram virar.”

As captivas também foram forçadas a responder a perguntas íntimas, incluindo informações sobre a data exata de seu último ciclo menstrual. Elas perceberam que os combatentes estavam a tentar determinar se estavam grávidas, de acordo com uma regra de Shariah afirmando que um homem não pode ter relações com sua escrava se ela está grávida.


Propriedade do Estado Islâmico
O uso de escravidão sexual pelo Estado Islâmico inicialmente surpreendeu até mesmo os mais ardentes defensores do grupo, muitos dos quais brigaram com os jornalistas on-line após os primeiros relatos de estupro sistemático. A liderança do Estado Islâmico tem procurado várias vezes justificar a prática para seu público interno. Após o artigo inicial no Dabiq em outubro, a questão surgiu na publicação novamente este ano, em um editorial em maio que expressa dor e consternação do escritor com o facto de que alguns dos próprios simpatizantes grupo haviam questionado a instituição da escravidão.

“O que realmente me alarmado foi que alguns dos partidários do Estado Islâmico começaram a negar o assunto como se os combatentes do califado tinham cometido um erro ou mal”, escreveu o autor. “Eu escrevo isto enquanto as letras gotejam de orgulho”, disse ele. “Nós temos de facto invadido e capturado as mulheres kafirah e levamo-nas como ovelhas ao fio da espada.” Kafirah refere-se às infiéis.

Em um panfleto publicado on-line em dezembro, o Departamento de Fatwa e Investigação do Estado Islâmico detalhou as melhores práticas, incluindo a explicação de que as escravos pertencem ao espólio do combatente e, portanto, podem ser adquridas para outro homem e eliminadas como qualquer outra propriedade após sua morte.

Fugitivas recentes descrevem uma intrincada burocracia em torno do seu cativeiro, com o seu estatuto como uma escrava registrada em um contrato. Quando seu proprietário poderia vendê-las a um outro comprador, um novo contrato seria elaborado, como a transferência de um título de propriedade. Ao mesmo tempo, as escravas também podiam ser postas em liberdade, e os combatentes então recebem a promessa de uma recompensa celestial por fazê-lo. Embora raro, isso criou uma via de escape para as vítimas.

A vítima de 25 anos de idade, que escapou no mês passado, identificada por sua inicial “A”, descreveu como seu mestre líbio um dia lhe entregou um pedaço laminado de papel. Ele explicou que ele tinha terminado a sua formação como homem-bomba e estava a planejar explodir-se e, portanto, estava a libertá-la.

Rotulado como um “Certificado de Emancipação”, o documento foi assinado pelo juiz da província ocidental do Estado Islâmico. A mulher Yazidi apresentou-o no controlo de segurança quando ela deixou a Síria para voltar ao Iraque, onde ela voltou para sua família em julho. O Estado Islâmico recentemente deixou bem claro que o sexo com mulheres cristãs e judias capturadas no campo de batalha é também admissível, de acordo com um novo manual de 34 páginas publicado neste ano pelo Departamento de Fatwa e Pesquisa do grupo terrorista.

A única proibição é ter relações sexuais com uma escrava grávida, e o manual descreve como um proprietário deve esperar por um prisioneiro do sexo feminino ter seu ciclo mestrual a fim de “garantir que não há nada em seu ventre”, antes de ter relações sexuais com ela. Das 21 mulheres e meninas entrevistadas para este artigo, entre as únicos que não tinham sido violadas eram as mulheres que já estavam grávidas no momento da sua captura, bem como aquelas que estavam na menopausa. Além disso, não parece haver nenhum limite para o que é sexualmente admissível. Estupro de crianças é explicitamente tolerado: “É permitido ter relações sexuais com a escrava que não tenha atingido a puberdade, se ela está apta para a relação sexual”, de acordo com uma tradução feita pelos media do Oriente Médio.

Uma mulher Yazidi de 34 anos, que foi comprada e repetidamente violada por um combatente árabe na cidade síria de Shadadi, descreveu como ela se saiu melhor do que a segundo escrava na casa – uma menina de 12 anos que foi violada por dias a fio, apesar do sangramento intenso.

“Ele destruiu o corpo dela. Ela ficou gravemente infectada. O combatente continuava a chegae perguntar-me: ‘Por que ela cheira tão mal?’, e eu disse, ela tem uma infecção no interior, tu precisas cuidar dela’, disse a mulher. Impassível, ignorou a agonia da menina, dando continuidade ao ritual de rezar antes e depois de violar a criança. ‘Eu disse a ele: ela é só uma menina’, a mulher mais velha lembrou. ‘E ele respondeu: ‘Não. Ela não é uma menina Ela é uma escrava, e ela sabe exatamente como ter relações sexuais.’’

“Fazer sexo com ela agrada a Deus”, disse ele.

Artigo original:
www.nytimes.com/2015/08/14/world/middleeast/isis-enshrines-a-theology-of-rape.html


Suma Sacerdotisa Maxine Dietrich:
Agora, temos a Internet. Conhecemos os judeus, quando o calor está realmente sobre eles, eles criam grandes distrações para que a população esteja focada em outro lugar, especialmente agora com a situação como está. O satanista Benjamin Franklin afirmou que as pessoas devem ter suas costas contra a parede antes que elas reajam. Isto é o que aconteceu com a Revolução Americana.

Não sê complacente ou perca vosso tempo. Tente chegar a tantas pessoas quanto possível. Lembro-me de alguns anos atrás, me deparei com um fórum que tinha o “Expor o Cristianismo” como tema. Houve um cristão por lá, e este chqcou alguns dos versículos bíblicos que foram postadas no “Expor Cristianismo”. O cristão estava realmente chateado e nem sequer sabia que esse tipo de coisa estava na Bíblia. Há milhões mais.

Infelizmente, a menos que nós acordemos as massas, estaremos condenados. O judeu está em ataque exatamente agora. Seus dias estão contados, pois eles foram totalmente expostos. Todos devem estar a colocar em fóruns on-line que e outros centros de comunicações que tem grandes audiéncias. Alguns de vocês podem também querer trabalhar juntos em apoiar uns aos outros em certos grupos e fóruns. O inimigo faz isso o tempo todo.

Eu também quero acrescentar aqui como os judeus trabalham para assumir o controle de ambos os lados “opostos”. A maioria de vocês sabe disso. Eles se infiltrar em todos os tipos de diferentes organizações e destroem-nas de dentro. Notei que uma de suas táticas é levar os objectivos da organização a um extremo insalubre. Isto eventualmente destrói a organização. Estejas ciente deste tipo de coisa.

Amdusias declarou como o inimigo vai se manifestar descaradamente “à medida que a Terra se aproxima do clímax da nossa causa.” Isso está a acontecer agora. Os judeus estão em uma ofensiva para destruir a Europa, a raça branca em especial. Em certas áreas neste momento e em outras, eventualmente, as pessoas serão obrigadas a tomar a luta física e as nossas comunidades estão a serem empurradas para a parede.

Todos deveriam estar a construir e reforçar uma aura de proteção poderosa. Esta deve ser reforçada diariamente. Fiques de pé por alguns minutos no Sol e inspire a energia solar, a iluminar tua aura com poderosa luz do Sol e afirmar 10 vezes é muito poderoso.
Leia: http://josministries.prophpbb.com/topic231.html

Farei mais rituais de Torá inversa muito em breve. Como o cristão que eu mencionei no exemplo acima, poucas pessoas estão realmente cientes da extensão do perigo em que estão. Isso inclui teus entes queridos, tuas famílias e tudo que tu possuis. Olhe para a notícia por exempli. Isso não vai simplesmente ir embora, vai ficar muito pior.

Eu também quero acrescentar aqui como os judeus estão on-line e com livros didáticos e os meios de comunicação em uma ofensiva para tentar reestabelecer seu comunismo novamente. Isso está a acontecer agora na Rússia. O povo russo sofreu o inimaginável. Eles trabalham para criar confusão, destruir a economia e causar todos os tipos de outros problemas graves.

Uma tendência que tenho notado com os media é a forma como eles tentam arranjar desculpas para o psicótico assassino em massa judeu Josef Stalin, junto com a tentativa de afirmar que ele era um gentio e também a tentarem convencer as pessoas de que não há nada de errado com o comunismo, apenas o stalinismo.

Os mesmos tipos de desculpas foram feitas mais e mais sobre o cristianismo. A menos que se faça qualquer oposição séria, eles vão continuar com suas mentiras feias e enganar mais e mais pessoas. Quanto à sujeira cristã, o sítio ssbiblioteca.webs.com (ver o pdf “Expondo o Cristianismo”) calou um monte de idiotas que estavam constantemente promovendo mentiras e desinformação online. O mesmo é necessário de ser feito com o comunismo judeu. A menos que lutemos e destruamos esta loucura assassina completamente, seremos condenados. Eles já estão a fazer um tumulto para destruir os EUA e, se essa potência mundial vier abaixo, será o fim para o resto do mundo.

VOLTAR PARA OS SERMÕES

Ler também: