Skip to content

Ensinando Odinismo de Verdade aos (((Odinistas)))

A maior MENTIRA sobre religiões brancas nos “factos” orais e judaizados é de que de alguma forma, todos os brancos não praticavam espiritualidade ou de que sua espiritualidade não era legítima ou amplamente praticada, ou outras coisas ao longo dessas linhas. A forma menor desta é de que eles eram preguiçosos que na verdade não se importavam com tudo isso e só focavam no reino físico. O que é falso, pois eram excelentes em ambos.

Se eles não se importavam com espiritualidade e todas as suas fés eram em vão, por que o inimigo judeu quer exterminar-nos até o último homem, mulher e criança, o que ele fizeram abertamente na Idade Média e depois disso impuseram o judeu-cristianismo? Todas pessoas burras não-espirituais dessas “raças” ainda estão vivas, e todas as castas espirituais de alta hierarquia foram destruídos, da mesma forma que outras pessoas outrora bem sucedidas, assassinadas, torturadas e caçadas para a morte nas caças-as-bruxas, Idade Média e muitos outros incidentes, enquanto o traidor racial normal, preguiçoso e submisso sempre foram facilitados.

Então por que eles vão numa campanha para matar até o último druida e pessoa espiritual. Enquanto todos que “não estão interessados” vão bem ao venderem a alma para Judeusus? Fazes isto às pessoas que não se importam ou que só acreditam em coisas inúteis?

A segunda parte da mesma mentira é de que branco foram sempre os que têm o tipo de pensamento de “lógica pura/ortológica” – materialismo com outro nome que foi inspirado por Spinoza e outros judeus, e passado adiante como um “sistema de pensamento”, enquanto esses mesmos judeus estavam profundamente no ocultismo e cabala. Só daí lógica de verdade é materializada, de outra forma seria apenas lorota a posar como teoria. Depois de tudo, mentiras “ortológicas” e “empíricas” dos judeus são apenas piadas. Nem mesmo os judeus acreditam em seu próprio lixo.

Até Karl Marx estava afundo no oculto à partir de seu pai rabino, que provavelmente o ensinou a “divina” torá desde a infância. Isso é o que rabinos fazem a seus filhos (não, sério), ler torá para eles desde a infância, e ensiná-los orações judaicas desde o primeiro dia, para que isso enraíze-se profundamente no subconsciente de sua esquisitice judaica. Ele também conhecia o Talmude página por página. Porque esse é seu “trabalho científico” afinal de contas.

A promover o fim de toda propriedade privada (para o goy), ele tinha os amigos e financistas judeus mais ricos da época. E escreveu um Talmude para consumo gentio, um guia para a escravidão dos goyim através da exploração para judeus não-espiritualizados – a saber, a infantaria física da agenda judaica. Até o escroto Stalin que destruiu toda suposta “religião” tinha igrejas a funcionarem na URSS, especialmente durante a guerra. Para amontoar a energia oculta, babe. E esse escroto se regozijava com umas das maiores bibliotecas ocultas de sempre, enquanto a maioria dos russos era analfabeta. Ele confiscou a maioria desta de bibliotecas nacional-socialistas, a incluir a de Hitler. Por que ir com toda essa campanha e daí simplesmente colocar a mão nesse “lunatismo” e coisas “inúteis” por milhares de anos, judiaria?

A Escola de Frankfurt foi outra grande piada, o mesmo que os círculos de (((alemães))) e muitos outros círculos de juniversidades da época, que liam manuscritos ocultos, mudaram nomes e termos, tentaram fazer um arranjo judaico e apresenta-los como sua própria descoberta. Enquanto é “empiricismo físico” para os goyim e recomendação viva oculta para seus semelhantes judeus, que sabiam ler através destes e de seus códigos, que é tudo o que cristianismo, islamismo e todas essas seitas destes também são, um golpe para os goyim, enquanto que um salva-vidas para os judeus.

Os judeus que escreveram a bíblia eram nada além da Escola de Frankfurt de babacas, só que em sua versão arcaica, e usam psicopatia para foder os “goyim” e escravizar seus crentes, a torna-los dementes e pessoas com medo de viver. E todos os judeus sabem disso, então por que eles iriam dar a mínima para o cristismo, excepto por explorar os saques de ouro, shekels e suprimento ilimitado de goyim que este supre? Quem quer trabalhar quando pode-se ter reparações do holoLOL? Quanto ao (((empirismo científico)))… De novo, só para o gado.

Então que é o empirista, “goy”? Só gentios estão ordenados a isso. Idiotas medianos, não me importo com quem sejam, quem ignora este facto está na melhor das hipóteses a afirmar “SIM, SOU GADO NÃO-ESPIRITUAL” e “ACHO QUE MINHA PRÓPRIA CULTURA É SÓ LIXO SUPERSTICISO PORQUE OS JUDEUS O DISSERAM ASSIM E SOU CORNO DEMAIS PARA PENSAR FORA DA CAIXA”. Isso devia estar escrito em todo ritual judaico de “emulação de beber sangue aos domingos” nas igrejas de judeuzuis. Sim, podemos adicionar “SIM SOU UM CORNO QUE APOIA MEU POVO PERMANECER ESCRAVISADO DEVIDO A IGNORÂNCIA ESPIRITUAL” no formulário. Isso é tudo.

Essas mentiras são criadas por judeus, e essas são para induzir ao erro os brancos mais estudados em tornarem-se goyim (animais espiritualmente inconscientes), que primeiramente leva ao cristianismo, e fá-los burros que pensam que toda ‘religião’ é besteira inútil como resultado disso, ou só superstição inútil. E daqueles tipos em que nossos ancestrais eram só gado sem civilização a viver na natureza, só a transarem nas florestas e não se preocuparem com nada, enquanto bebiam hidromel e agiam feito bêbados, como na série “Vikings”, onde o protagonista cristófilo que é pau mandado do judeu-cristianismo vira herói… Cohen-cidentemente. A lista vai… De que os Vikings eram supostamente idiotas toscos que pegaram um barco para dar voltas ao mundo para pilhar, estuprar e lutar, enquanto se embebedavam de hidromel.

Essa é a estória clássica de como os civilizadores do planeta eram todos “goyim” retardados sem uma cultura espiritual, donde então os judeus tentam traduzir de forma que somente eles próprios dentre todos os “goyim” tinham uma cultura espiritual. Mesmo que se tenha as pirâmides, ou a China, ou até os dias de hoje, cultura avançada nórdica e não-branca em diversos lugares. Hindus são boçais, todos são boçais, excepto os judeus. Judiaria é o novo normal.

Depois de tudo, no que refere-se a esse sistema judaico judicial, se alguém é um criminoso e não é achado, ele não é criminoso. Da mesma forma, se a igreja execrou todo esse conhecimento oculto profundo da raça branca por um milénio, então ele não existe.

Muitos ‘brancos sábios’ que também são ‘estudados’ caem em outras armadilhas, tal como o meme “Loki vs. Odin”, que é um cristianismo sistemático 2.0, limpado dos nomes judaicos em um novo jogo, onde Loki é o vilão e Odin é o mocinho. É a mesma velha porcaria hegeliana em novo uniforme.

O mesmo vale para outras lendas sobre o “Dragão” e o “Grande Lobo” que precisam ser “mortos”, e os crististas a conectarem isso com o “São Jorge” judaico. Porém, na ciência oculta, isso não é uma morte do “mal” nem uma mensagem para uma suporta batalha cosmológica, tal qual o “apocalipse” judaico que muitos desinformantes e tolos do inimigo tentam empurrar. Para o fácil consumo dos goyim cristianizados que não conseguem viver sem essa forma de pensar estúpida e bizarra judaica.

Bem, enquanto Odin é a coroa, Loki simboliza do chakra base. A árvore Yggdrasil é de facto a alma, a conectar o mundo superior e inferior (astral e físico). Quando o dragão agita-se na parte inferior da árvore – é dragão ou serpente – mas quando a águia pega a serpente e a eleva para o todo da árvore (Valhala), aqui diz-se que a serpente pode ver o mundo. Isso foi claramente roubado pelos judeus em tornar-se a “Árvore da Vida” no excremento cabalístico judaico.

Então, em algumas lendas, torna-se a águia em si, que era o símbolo dos nacional-socialistas, e portanto a serpente ascensa. A águia é o mesmo símbolo hoje, e ainda é mostrada com a serpente. A serpente também nunca é mostrada morta em nenhuma dessas inscrições, mas bem viva. Os nacional-socialistas usaram a águia como o símbolo da consciência serpentina desperta e a consciência racial. Enquanto a Serpente Kundalini é deixada indomada e dormente, leva-o ao ‘Hel’, se ascensa e erigida, leva-o a Asgaard/Valhala. Ela não é “má”, é uma força inconsciente.

“Oy Vey, os nacional-socialistas eram molengas crististas!” Só que onde? Até o próprio símbolo mostra a consciência serpentina desperta, acima da suástica tibetana do Extremo Oriente. Porque é isso que somos, pagãos satânicos, e isso é o que sempre fomos. Pessoas como Himmler praticavam todo o acima, porque essa é nossa herança cultural-racial. Na escala maior, isso é satanismo e aplica-se em diferentes formas aos povos gentios. Odinismo real, satânico, limpo de qualquer verniz judaico é senão a mais pura doutrina do Satanismo Espiritual.

A luta de Odin para conquistar o dragão é o esforço para trazer esta força avassaladora da serpente sob controlo, e direcciona-la para cima. Isso resulta na “destruição inevitável do mundo” onde todos os Deuses colidem (os aspectos positivos e os negativos da alma) e o mundo é destruído (essa é a verdadeira batalha “cosmológica”, com a alma a ser o “mundo”). Tudo é então destruído e degenerado.

Todos os Deuses positivos morrem, Loki mata Baldur (o Deus da Luz) e a maioria dos outros Deuses também é massacrada pelas “forças do mal”, que lidam principalmente com o estágio Nigredo da Magnum Opus (que é análogo à morte do indivíduo, e a perda completa de toda “esperança” e “luz”). Depois disso há ressurreição. Na segunda batalha, os Deuses da luz ganham, e o mundo é restaurado, então temos o conto sobre controlar tudo novamente.

A “fúria Berserker” é um termo espiritual para as energias da alma/serpente que leva a apoteose e faz o indivíduo realizar feitos impossíveis. Isso é bem documentado em como pessoas hoje em dia, enquanto em situações ameaçadoras, podem levantar um carro e coisa do tipo. Quanto a ser um termo oculto, é a inundação de energia. O guerreiro luta melhor quando bebe o suficiente de HIDROMEL – que é a energia ou força espiritual.

Então, após a guerra terminar, os Deuses organizam tudo em suas posições, e unem-se novamente. Não há “morte” dos “Deuses maus”, porque não há mal. Enquanto isso, o cristismo promete a MORTE do dragão ou Serpente Kundalini, para que então as pessoas caiam eternamente em grilhões espirituais. “Odin” na verdade, excepto por seu o Deus, não é o Deus mais forte, mas também simbólico do homem que busca iluminação e pratica para isso. Odin sacrifica seu olho, porque o olho é na verdade uma metáfora para a percepção demasiada material. Isso deve ser sacrificado, e apenas um olho fica, que é simbólico do terceiro olho, ou a verdadeira visão.

O Olho de Hórus no Egipto que os judeus roubaram também vem disso, do mesmo modo que os ciclopes descritos na Odisseia. No conto grego, o herói Odisseu tem de matar o ciclope gigante que é cego com uma lança no olho. A lança é simbólica da coluna, e a energia Kundalini é a ponta da lança a subir para a cabeça. Então o ciclope, terceiro olho ou segunda visão a conquistada.

Toda a ‘batalha’ é um guia para a Magnum Opus e a purificação da alma, para que então possa-se alcançar a Divindade, em todos os contos Arianos. É o mesmo padrão. O mesmo que os judeus roubaram e estão agora a vender como “cultura branca” legítima para os goyim sem educação. As Runas dadas a Odin devem ser inscritas na Árvore, e com sangue (força vital), a Árvore é Yggdrasil, a alma, a sede da vida e da força vital. Tudo é conectado à árvore e toda a existência. A Árvore é a alegoria em todas as civilizações, e vai até a Suméria. Sim, aquele lugar com as estátuas de olhos azuis foi um dos primeiros a ser aniquilados por ser ‘satânico’. As Runas em si são a própria “Árvore” de Yggdrasil. As Runas devem ser esculpidas na Árvore (a alma humana) e quando esculpidas correctamente, obtém-se o poder dos Deuses. Externamente, elas podem ser usadas como magia.

A vibração e canto fazem isso. Podes vez abaixo, a “Árvore” que os a alma, e todos os poderes ajustados nela. Estes são as runas que precisam ser “entalhadas” nela. A Árvore deve ser regada para que possa crescer, e isso é metafórico de meditação diária e aderência à prática espiritual. Isso é o que os druidas praticavam activamente e diariamente, e todas as tribos fortes brancas que não caíram primeiro na Idade Média e continuaram a lutar até o último homem. Então o judaísmo infiltrou-se e agora as pessoas pensam que essa é sua cultura. Devias perguntar aos teus ANCESTRAIS MORTOS que foram assassinados por esse cancro judaico sobre o que é isso.

Midgard, Asgaard e Hel são na verdade os três nós da alma e os três níveis de consciência. Hel são os chakras mais baixos, Midgard é o coração e Asgaard são do chakra laríngeo para cima. Baldur simboliza a limpeza divina, a luz pura e indestrutível da alma, enquanto Loki é a escuridão perpétua. Ambas são necessárias para a própria existência, e a “escuridão” não é o que é vazio de luz, mas na realizada e luz não captada.

O lobo Fenrir e as Valquírias de Odin são na verdade os poderes da alma, as energias do polo negativo e polo positivo. Odin manda as Valquírias para ajudar aqueles que lutam nessa guerra, e prepara um exército para a grande guerra (que também é uma terminologia oculta para acumulação de luz ou despertar dos chakras e centros de energia individuais bem pequenos). Essas são as tropas que lutarão contra as “forças do mal” e tentar retomar o mundo (alma) e trazê-lo a um nível mais elevado. Por que os nórdicos iriam apreciar Loki e usar lobos e todos esses símbolos “malignos” como seus emblemas… Porque eles NÃO eram do mal, mas alegóricos. Cada Deus representa um chakra e centro de consciência.

Não há qualquer “mal” no sentido de judaísmo ou ódio contra “Satan” em qualquer outra religião gentia, excepto nas religiões judaicas. Isso está “Além do Bem e do Mal”, e isso é o núcleo da religião Ariana. “Mal”, quanto aos judeus, não tem a ver com Loki ou qualquer outro hegelianismo de dois lados. Judeus não estão presentes em nenhum desses sistemas.

Quanto aos Deuses, os nomes obviamente mudam em qualquer cultura branca, pois esses são codinomes e eles mudam e ajustam-se às populações nativas, que é a raiz de suas culturas de qualquer das maneiras. Mas os exemplos são sempre os mesmos. Por exemplo, Afrodite, Vénus, Freya, Ísis e Astarte são exactamente a mesma entidade sobre diferentes codinomes ajustados às respectivas populações nativas.

Os panteões de 12 Deuses são representações das energias divinas, mas também seres reais e os progenitores louvados da Raça Branca. As identidades dentro das personas são quase idênticas se não as mesmas totalmente. Todos os codinomes são títulos ocultos honoráveis, e obviamente eles têm nomes diferentes. O mesmo “satanismo” na essência mais profunda. Nenhum dos Deuses pagãos são “maus” porque nada daquilo denota acções literais, mas alegorias espirituais. Nossas gentes NÃO inventaram um “mal” existencial ou pseudo-ético no sentido religioso, mas através de senso comum e ética humanos que vêm de dentro.

Para aqueles que duvidam são desinformados acerca das origens pagãs, as práticas espirituais e o que os brancos estiveram a praticas por milhares de anos, eu aconselho ler o seguinte com um olhar SATÂNICO, e por usar um julgamento correcto:

“The Eddas: The Keys to the Mysteries of the North”, porJames Allen Chisholm, tem alguns bons pontos. Este mostra bastante por si só.

Para idiotas, imbecis ou vitimistas que pensam que a cultura Ariana não era espiritual ou não “fundamentada na espiritualidade” ou basicamente, uma cultura oculta, leia o seguinte:

“Pagan Resurrection”, por Richard Rudgley.
NOTA: este é um livro “mainstream”, então muita informação deste é simplificado a fim de “parecer normal” acerca deste mundo ditatorial judeófilo. Até (((independent))) escreveu uma página sobre este. Não se deixe levar por todas as nossos, leia-o com uma mentalidade satânica. Eu não li-o todo, mas há provas de como o povo Ariano estava até a praticar yoga.

Agora eu deixei muitos desinformantes (((odinistas))) desempregados, e muitos brancos despertos deste transe mortal que os judeus colocaram em nossa fé ancestral. Por favor, vá desinformar em outro lugar, ou desperta e vai para a verdadeira raiz oculta de sua ancestralidade. Ou só muda os nomes e continua a adorar judeuzus, o rabino circuncidado.

Por favor, rouba meu escrito e posta-o em sua informação universalmente aceita, mas não te esqueças de adicionar que judeuzus, o circuncidado rabino Yeshua era um Ariano (obrigatório para manter brancos no limbo), cristismo positivo (obrigatório, porque quem pode sobreviver sem um judeu no pescoço de sua raça?), chiar legalismo (oy vey aqui e ali), escapismo da verdade.

Mas será que tenho direitos autorais em algum lugar? Não sei, simplesmente não sei. Logo vai isso vai jogá-los debaixo do autocarro. E nenhuma “luta contra o malvado Loki”, “os judeus são Loki” e “o rabino judeuzus vai salvar a raça branca” irá salvar-te do facto que estás a trollar tua própria raça enquanto espalhas judaísmo remasterizado.

Essa é a verdade, e Satanismo é a chave mestra e o sistema que engloba tudo isso.

Os brancos estão a despertar

Sumo Sacerdote Hooded Cobra
VOLTAR PARA OS SERMÕES